sexta-feira, 21 de maio de 2010

(72)

Segue abaixo um conto de minha autoria, que não tem nada a ver com a minha vida ou de qualquer conhecido meu. Sem terror galera, por favor !


Conto: Quero ser grande !


Aos 15 anos penso na razão da minha vida. Sei que desejo ser alguém. Desejo transcender as barreiras do possível e do imaginável. Meu sonho é de que daqui a 500 anos, ou quem sabe no próximo milênio alguém saiba quem eu fui.

Esse não é um sonho exclusivo. Se pensarmos bem, é o grande dilema na vida do homem. Dilema que começou com Aquiles, e pode terminar comigo, ou passar para os meus filhos, amigos e desconhecidos. Morrer no anonimato não é animador. Uma vida feliz e honesta ou a fama e o sucesso, porém com o ódio e a repulsa?
Penso eu aqui nessa situação. A minha vida caminha para o eterno apagão. Vou me casar em torno de 10 anos, não conheço a minha futura esposa, mas já sei como será. Vamos nos conhecer no trabalho, no início ela vai preferir não me dar bola, mas com o tempo a paixão será inevitável. Peço ela em namoro no bar que sempre vamos. Pra comemorar, partimos para um motel, rumo a noite mais romântica de nossas vidas. No início o sexo é maravilhoso, parece que depois de cada vez o chão some aos nossos pés.

Nos seguinte sete anos de namoro vem o casamento. Depois de estabelecidos economicamente, o certo é morar juntos. Filhos, uma casa maior, promoções no trabalho, às coisas vão se sucedendo. Com o passar do tempo, aquela gordurinha embaixo do braço dela já me irrita. Suas calcinhas começam a crescer de tamanho e a vida a dois acaba. Agora temos filhos a criar. Primeiro eles, depois a vida.

Aqui estou eu, aos 65 anos, sentado em um asilo, na esperança de rever a minha família. Por mais de 30 anos me dediquei a eles, e agora estou aqui, no lugar mais triste do mundo a espera deles e da morte. O pior é que estou mais ansioso com a chegada da morte. Paro e penso, não é isso que quero para mim.

Resolvo mudar, aos quinze anos à vida nem começou, vou ser alguém marcante, uma pessoa que deixara sua assinatura pelo mundo. Entro no colégio com a mesma calma de sempre. Sento-me na primeira carteira, comprimento os meus amigos e me preparo para o início da aula. Quando a professora chega, espero tudo se encaminhar para normalidade. Quando ela se vira para o quadro, pego a faca na minha mochila e sem pensar mato a minha professora. O golpe é fatal, sem chance de reação, ela cai morta. Sua face branca contrasta com o solo vermelho coberto por sangue. Seu fim chegou e com ele a minha fama. Em pouco tempo todos no país sabem quem eu sou. Conhecem tudo sobre a minha vida e minha família. Sou o garoto mais popular entre os jovens rebeldes. Com o meu vídeo no youtube, ganho admiradores e inimigos por todo o mundo. Adolescentes da Rússia me acham o máximo e no Japão já se inicia à fabricação de um boneco meu. Nos Estados Unidos os principais roteiristas querem escrever sobre mim e chegou aos meus ouvidos que Spielberg exige que o meu papel seja do Leonardo DiCaprio. Na França querem que eu vá para a guilhotina e sou chamado de Novo Hitler na Alemanha.
Enquanto sou interrogado pelos agentes do juizado de menores, penso em tudo que fiz e resolvo que não é isso que quero da minha vida.

Volto ao meu mundo. Quero ser famoso fazendo o bem. Mas logo em seguida pensamentos diários e reflexões matinais vem a tona. Todas as vezes que pensei alto, alguém colocou um empecilho. Apoio? Raras vezes tive na minha vida. Seja dos professores, pais e amigos. Pensei em criar um site com mensagens rápidas, de no máximo 140 caracteres. Disseram que eu estava louco. E quem sabe o cinema 3D, onde todos veriam filmes com óculos especiais, onde a imagem vem até o espectador. Meus amigos riam, riam muito. Quem vai agüentar assistir um filme de óculos, deixa de ser ridículo, foi o que me falaram. Parti para o lado ambiental. Que tal ficarmos 1 hora com todas as luzes apagadas? É durante um dia, argumentei com professora, que no fim zerou o meu trabalho de ciências. A última tentativa foi na aula de redação, onde eu me sentia mais a vontade. Escrevi um texto sobre um vampiro, que não temia a luz, que não bebia sangue e que até podia amar uma mulher. Na mesma cidade havia homens-lobos e durante séculos as duas tribos rivalizavam. Entre as duas raças, havia uma jovem, vinda de fora da região, com o dom de mexer com o coração dos dois mundos e mudar tudo o que havia por ali. A professora achou a idéia boa, mas disse que vampiros não vedem mais. Era melhor eu escrever sobre um mapa do tesouro ou algo parecido. Pensei em escrever sobre um planeta distante, com pessoas azuis e avatares humanos, mas já haviam colocado um fim na minha inspiração.

Cansado de ser um ninguém resolvo desistir da fama, do marasmo e do heroísmo. Dirijo-me ao alto do meu prédio. Como quem quer correr para outro lugar, me atiro e coloco um fim em tudo que me aflige. Agora o que restou de mim, são só lembranças.

A partir de agora sou uma pessoa muito melhor do que fui, muitos vão me ter como exemplo. Seja de forma positiva ou negativa. A minha família jamais será a mesma. Meus pais em depressão vão falir, meu irmão mais novo enfrentara seções de terapia por muitos anos e o sonho de ter filhos da minha irmã foi por água abaixo. Não consegui ser alguém famoso, mas modifiquei a vida de algumas pessoas. Isso basta no momento.

Resolvo para de pensar, tenho que ir para a escola, na mochila coloco uma faca, meu caderno e o destino. A vida é feita de escolhas, posso ser mais um ou um jovem louco, sinônimo de rebeldia e o reflexo de uma péssima educação em casa ou uma pessoa que decidi lutar por um lugar ao sol pelos próximos 7000 dias da sua vida. Escolho ser eu mesmo, não é justo com a minha família, amigos e conhecidos, eles não merecem ter o seu nome envolvido com alguém louco, louco pela fama. No fim, acabo vivendo para eles ou para mim? Não sei, antes de sair, jogo tudo para o alto, não quero mais fazer planos, percebo que perdi como você agora, 5 minutos preciosos da minha vida pensando em coisas inúteis, e principalmente fazendo planos. Sou jovem ainda, preciso aprender que a vida não pertence a mim, chega de planos e dilemas, vou viver como o mundo quiser. A partir de agora, não quero ser grande, quero ser eu mesmo !

FIM

Nenhum comentário:

Postar um comentário